segunda-feira, 31 de maio de 2010

5 meses


Pois é. Nosso recém nascido foi embora mesmo.

Agora temos um bebê lindo, esperto, curioso, atento, simpático, risonho e que já demostra claramente quando está feliz, quando tem sono, fome, irritação ou simplesmente quando quer um colinho. Neste mês, ele aprendeu a virar de bruços sozinho e vem treinando a nova habilidade em qualquer oportunidade. Até já consegue tirar o braço que normalmente ficava preso embaixo da barriga. Também estica o pescocinho pra frente, numa tentativa frustrada de sentar, quando o colocamos no bebê conforto. E se irrita quando não consegue fazer o que quer. Passa os brinquedos de uma mão para outra e desenvolveu uma manha de pegar a bolinha mesmo quando ela está numa posição, digamos desfavorável. E como qualquer mãe, eu acho que ele é o mais mais do mundo.
O mais lindo e o mais inteligente.
Mas muito além destas habilidades motoras, a cada dia ele desenvolve a capacidade de aumentar o meu coração. Porque só assim é possível caber tanto amor.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Aos gritos

Li no site babycenter:
"Aos 5 meses, os bebês acrescentam novos sons ao seu repertório, como barulhos com a língua para fora. Eles ficam tão encantados com o que fazem que não param de repetir a mesma coisa. Esse, aliás, é uma padrão comum do desenvolvimento das crianças: elas costumam praticar exaustivamente uma habilidade antes de partir para a próxima."

O Gustavo agora deu para gritar. Mas não é um gritinho alegre. É um grito bravo, nervoso. Algo parecido com uma birra. Acho que além de gostar do próprio barulho, ele tenta chamar a atenção. É uma grito-chorado ou um choro-gritado tão sem vergonha, que só de olhar pra ele, ele para e ri!

video

É uma figurinha mesmo este meu filhote!

quinta-feira, 27 de maio de 2010

SPA? Pra que?

Ter um bebê espoletinha que não para quieto e que quer atenção o tempo todo, tem suas vantagens.

Além da amamentação, o Gustavo tem me ajudado a ficar com o corpitcho que eu queria (eu tô me achando).

Primeiro que ele é praticamente um personal trainer. Só falta falar.
Mas pra que falar, se chorar causa um efeito muito mais imediato, né gente? E com ele não tem descanso não.
Ele só precisa incluir na minha série, exercícios para aqueles musculinhos que ficam meio esquecidos, tipo aquele do tchau, sabe? Apesar que tem umas brincadeiras que ele adora, que chegam perto de exercitar o dito cujo. É só aperfeiçoar...

Mas a ajuda mais efetiva mesmo, é na hora das refeições.
Sabe aqueles dias que depois de fazer uma comidinha gostosa, você come o primeiro prato e fica satisfeita, mas coloca "só mais um pouquinho" porque tá bom demais? Então, isto não existe mais pra mim.
Ele sempre me lembra que um prato (isto quando não são apenas algumas garfadas) é mais que suficiente!!!

Quer SPA melhor que este?
Me exercita e ainda controla minha gula.
Assim é o meu tesourinho!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Procura-se

Procuro amiga com dons de fotógrafa.

Pode ser também uma fotógrafa que queira ser amiga.

Não importa.

Também não precisa dominar nenhuma técnica especial de fotografia e nem ser profissional. Não.
Só precisa ser destas que está sempre com a câmera na mão e que captura qualquer momento de amor.

Porque vida de mãe que também é a fotógrafa da casa é dura. Muito malabarismo e pouca aparição.

sábado, 22 de maio de 2010

Como começar mal um fim de semana...

Quase não vou mais aos encontros do Ishtar aqui em Sorocaba, já que os assuntos tratados são mais direcionados à gravidez.
No entanto, hoje o Gustavo acordou super cedo e o dia estava lindo (não está mais, em todos os sentidos) e pensei, vou ao encontro hoje, para ver as novas gravidinhas do grupo e rever algumas mães que eventualmente levam seus bebês para participar da conversa.

Tudo lindo e muito gostoso, até o momento de voltar para o carro.
Percebi que tinha algo errado. A porta dianteira direita estava meio aberta. Dei aquela geral no carro e não percebi nada faltando. Então lembrei do porta malas - eu já tive o estepe roubado duas vezes - e fui verificar.

Dito e feito.

Mas além do estepe, o filho da mãe (desculpem o trocadilho, mas é para não falar outro nome que é o que eu estou com vontade no momento) levou o carrinho do meu filho.

Depois parei para pensar e fiquei até meio aliviada porque o santo homem que abriu meu carro, teve a compaixão de deixar o bebê conforto (que acoplava no carrinho) lá, para que eu pudesse voltar para casa com o meu bebê em segurança.

E ainda pensei, "ainda bem que não estávamos dentro do carro e que não aconteceu nada com a gente." Claro, óbvio. Ainda bem.
Mas não dá mais pra viver com este conformismo.
Eu estou cansada.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Enfrentando a selva

Hoje o Gustavo vai fazer sua primeira visita à grande selva de pedra, chamada São Paulo.
Vamos passear numa feira infantil com a querida Carla e seu lindo Henrique!

Depois eu volto para contar como o meu mocinho se comportou!

************************************************************************************************

Voltamos
E não é que nosso passeio foi bom mesmo?
A começar pela viagem super tranquila, já que o Gustavo e o Henrique dormiram o tempo todo e nós fomos conversando tranquilas e serenas. Gente, como isto é bom né?
Chegamos por volta das 11:30h e primeiro fizemos uma volta de reconhecimento. E quando chegamos no Circuito Vilinha, conhecemos o espaço Aprontando Uma, destinado aos pequenos de 0 a 3 anos, que proporciona estimulação psicomotora, por meio de jogos e atividades lúdicas.
Adoramos a idéia e o atendimento das monitoras e como os meninos tinham dormido a viagem toda e estavam bem dispostos, decidimos que seria o melhor momento para brincar com eles e ficamos por ali um tempão. Saimos para almoçar.
Mas quem disse que é possível almoçar com um bebê de quase 5 meses que não para? Comi só um lanchinho enquanto a Carla tentou tomar uma sopa de mandioquinha, também sem muito sucesso. Henrique deu um bailinho. Não quis a sopa enquanto tinha, depois que acabou, ele quis. Aí foi papinha da Nestlé mesmo. Gu também não ficou muito atrás, mesmo com fome, não queria mamar com tanto movimento por perto. Só depois de muita insistência, ele mamou.

Depois da maratona do quase almoço, achamos que os meninos estavam cansados. E fomos de novo para o Circuito Vilinha, já que lá a gente podia sentar, eles podiam deitar e também não tinha muito barulho, nem tanta gente. E pudemos comprovar que eles realmente gostaram do astral e dos brinquedo do lugar. Se eles pudessem falar, com certeza pediriam para morar ali.
Ficamos com pena de tirá-lo de lá, mas como queríamos ver os outros expositores da feira, saímos sob protesto dos dois.

A Carla já conhecia a feira. Eu ainda não. Pude perceber que os produtos são diferenciados. Roupas lindas, brinquedos criativos, acessórios fofos, futilidades graciosas e outras coisas gostosas assim. E com tanta coisa bacana, não dava para esperar precinhos camaradas.

Nesta altura do campeonato os meninos já estavam muito inquietos e o Gustavo passou para o estágio da irritação em minutos. Não conseguimos ver mais nada direito.
Mas quer saber? Não liguei. Só de ver a alegria deles brincando com os outros bebês, já valeu a viagem.
E terminamos nossa aventura com os dois dormindo como anjos na viagem de volta.

Pena que a palestra da Isadora Canto estava marcada para às 18:00h. Gosto muito do trabalho dela e adoraria conhecê-la pessoalmente.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Lindo!

Gustavo acabou de virar de bruços sozinho!!
Êêê!

terça-feira, 18 de maio de 2010

Projeto Palmada

Uma deputada do Rio Grande do Sul criou um projeto de lei (que já foi aprovado pelas comissões da câmara e está no plenário) que proíbe o castigo físico em crianças, mesmo que o castigo seja aquela palmadinha no bumbum. Segundo ela, isto deseduca. Os pais que descumprirem a lei deverão prestar serviços comunitários e podem ser encaminhados para tratamento psicológico ou psiquiátrico.

Tem gente que consente que os filhos façam qualquer coisa e nunca os reprime, achando que assim está dando todo o amor que pode.
Eu acho que quando filho desobedesse, a gente tem que tentar uma conversa, depois uma bronca, talvez um castigo, mas se nada disto resolver, uma palmadinha não vai fazer mal a ninguém. Aliás, acho que isto é um ato de amor, destes que dói mais na gente do que neles.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Respeito ao indivíduo

Antes de ser mãe, quando eu via bebês manhosos ou crianças "chatinhas", eu achava que aquilo era resultado apenas de maus hábitos e/ou má educação proporcionados pelos pais.

Hoje percebo que as coisas não são bem assim. O Gustavo talvez entre na categoria dos bebês manhosos para muita gente.

Um exemplo é que ele ama ficar no colo (e que bebê não gosta, né gente?), mas não pode ser de qualquer jeito. Não podemos simplesmente ficar sentados com ele no colo. Ele reclama. Temos que ficar andando, mostrando as flores do jardim, o quadro colorido na parede, as torneiras do quintal (vai entender este encantamento que ele tem pelas torneiras), os aviões do móbile e etc. Será que nós é que estamos deixando ele mal acostumado? Até concordo que alguns hábitos que os bebês adquirem (bons ou maus) podem ter sido cultivados pelos pais.

Mas o que dizer do temperamento de cada bebê?

Fazendo a penosa comparação dele com outros bebês da mesma idade, tenho percebido que ele é mais agitado do que os outros. Ou vendo de maneira positiva, é mais atento e mais ávido por novidades. E o que fazer com relação a isto?

Respeitar!

Um ser humano é completamente diferente do outro, independente da idade. Com filhos também é assim: eles não são como a gente quer que sejam. Eles tem sua própria personalidade.

E este é o grande desafio de criar filhos: conhecê-los e tentar mudar o que tiver de mudar e manter o que tiver que manter, sem traumas e sem conflitos!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Vai uma sopinha aí?

Depois do sucesso do Pintinho Amarelinho a música do momento aqui em casa é Sopa.
E não é um trocadilho não, viu? Pelo contrário, não tem sido nada fácil memorizar a letra e eu fico sempre repetindo só a parte da "berinjela/panela".
E mesmo assim, o Gustavo fica hipnotizado.
É um ótimo calmante para os momentos "mamãe quero ser índio e viver pelado".

E já que eu não consigo memorizar só de ouvir, vou escrever pra ver se ajuda!
**E o bom de registrar aqui, é que o papai pode aprender também! **

Sopa (Paulo Tatit / Sandra Peres)

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem espinafre?
Será que tem tomate?
Será que tem feijão?
Será que tem agrião?
É um, é dois, é três...

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem farinha?
Será que tem balinha!?
Será que tem macarrão?
Será que tem caminhão?!
É um, é dois, é três...

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem rabanete?
Será que tem sorvete!?
Será que tem berinjela?
Será que tem panela!?
É um, é dois, é três...

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem mandioca?
Será que tem minhoca!?!
Será que tem jacaré!?!
Será que tem chulé!?!
É um, é dois, é três...

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem alho-poró?
Será que tem sabão em pó?!
Será que tem repolho?
Será que tem piolho!?
É um, é dois, é três...

O que que tem na sopa do neném?
O que que tem na sopa do neném?
Será que tem caqui?
Será que tem javali?!
Será que tem palmito?
Será que tem pirulito!?
É um, é dois, é três...



quarta-feira, 12 de maio de 2010

Parece com quem?

A Ju, querendo fazer invejinha nas mães cujos filhos são a cara do pai, colocou fotos dela quando era bebê ao lado de fotos da Lulu, que é a cópia da mãe. E de quebra, as duas são lindas.
E eu tenho que reconhecer que ela conseguiu causar tal inveja em mim.

Esta foto é do último domingo e desde então eu fico olhando pra ela e brinco que sou mãe adotiva do filho legítimo do meu marido.




Mas será que não tem nadica de mim na fisionomia deste menino? :-(

Então que ele tenha, pelo menos, o meu bom gosto, que escolhi um pai lindo pra ele puxar!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Surpresinha

Quando engravidei pesquisei muito sobre a gestação e pouco sobre o pós parto e por isto não sabia de varias coisas que podem acontecer depois que o bebê nasce.

Uma das coisas que eu não sabia é que amamentar emagrece. E como!
Estou dois quilos mais magra do que quando engravidei, o que me deixa muito feliz, já que as coisas estavam no caminho para sairem do controle.
E tenho algumas peças no meu guarda-roupa, que eu já não usava mais por falta de afinidade (afinamento seria mais apropriado... rsrsrs). E estes dias descobri que estou apta a usá-las novamente. :-D
Uma delas é este vestido que eu adoro e que é da época do meu casamento.

Só que nenhuma destas peças é do tipo que facilita botar os peitos pra fora, para fazer o que eu e o Gu tanto gostamos.

Não dá pra ter tudo ao mesmo tempo, né?

sábado, 8 de maio de 2010

Dia das mães

Depois de 35 anos sendo apenas filha, agora vou comemorar este segundo domingo de maio, também como mãe!

Não que um dia, com finalidade mais comercial do que sentimental, influencie na intensidade do amor que sinto pela minha mãe e pelo meu filho. Mas diante de todo o enfoque que é dado ao assunto, é difícil ficar indiferente.

E eu, que já tinha coração mole, agora estou ainda mais sensível.

Vejo algumas campanhas publicitárias, olho para o meu pequeno, me emociono e via de regra, choro.
Ouço histórias tristes de outras mães, me emociono e sempre choro.
Ouço histórias felizes de outras mães, me emociono e choro também.

Mas para não prolongar demais este assunto, vou falar de duas mães que mexeram comigo esta semana:

Aline: que, como eu, também vai viver seu primeiro dia das mães como mãe. Mas ela não vai ter aquele almoção feliz em casa com a família. O Theo é apenas alguns dias mais velho que o Gu e parece um bebê feliz, apesar das adversidades. Estou rezando e torcendo por eles.

E dona Hilda, minha sogra, que passou por uma cirurgia há 15 dias e esta semana ganhou de presente, a notícia de que está livre de um tumor. E quando veio aqui nos contar, me deixou com um nó na garganta (de alegria e vontade de chorar) ao conversar com o Gustavo: "agora vou poder ver você e seu primo crescerem".

Um beijo a todas as mães.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

...

Tô tão emotiva...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Prazo de validade

Como eu já disse antes, abandonamos o ritual do sono com o Gu.
Funcionou muito bem por alguns dias, ele gostava do balde, curtia a massagem, depois mamava e dormia como um anjo.

No entanto com o passar do tempo, ele começou a se irritar com o processo.

A começar pelo balde. Quando a gente ia colocar ele lá, ele fazia igual gato. Colocava os pés na borda e endurecia as perninhas, tentando evitar a tortura. Mas nós, determinados como somos, insistíamos. Então ele entrava no balde com cara de poucos amigos (ele passa longe de se acalmar como este bebê aqui), batia as mãozinhas na água com força, o que fazia voar água pra todo lado, esticava as perninhas tentando ficar de pé, até que em poucos minutos (poucos mesmo) ele começava a resmungar. Pois bem, a gente tirava ele do balde, achando que ali não estava bom e as coisas pioravam. Ele chorava copiosamente. A massagem, muitas vezes, foi abortada do processo devido a irritação dele. Depois vinha outra parte que ele não gostava nada nada. Colocar a roupa. Aliás este é um hábito do qual ele definitivamente, não é muito adepto. A gente sempre escolhia as mais fáceis possíveis, que não precisasse passar pela cabeça. Mas mesmo assim, era uma etapa meio traumática. Acabado este espetáculo, ele mamava aos prantos e depois de bastante tempo gastando o piso do quarto, ele dormia.

Eu digo que pra ele, tudo tem prazo de validade. Qualquer atividade, dura pouco tempo. E não foi diferente com o ritual do sono. Ele cansou daquele lenga-lenga.

Agora, quando o papai chega em casa, brinca bastante com ele (sumiu-achou tem sido a brincadeira favorita) e por volta das 20:00h a gente vai para o quartinho dele, conversa mais um pouco, troca a fralda, mamazinho e cama ou melhor berço! Simples assim.

Agora resta saber até quando! :-)

terça-feira, 4 de maio de 2010

Um ano atrás

Hoje faz um ano que li o tão esperado 'Positivo' no resultado do exame de sangue.

E depois de 40 semanas de muito enjoo, muita azia, dores nas costas e dificuldades para dormir, hoje vivo a realidade de uma nova e intensa rotina de muito choro, pequenas manhas, noites mal dormidas, e uma herança da velha vida: as dores nas costas.
Mas existem também os sorrisos, os olhares, uma mãozinha macia que passeia pelo meu peito, o cheirinho inconfundível da pele suave, a dependência carinhosa que me faz sentir a pessoa mais importante do mundo e uma alegria de viver que ainda não tinha sido experimentada.
Hoje existe o meu filho, meu amor!

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Fato e consequência

Fim de semana é sempre meio agitado para o Gu. A rotina muda e os horários ficam meio confusos.

Ontem ele praticamente não dormiu durante o dia.

Daí vem o fato: às 17:45h, depois de muuuuito esconde-esconde, ele achou o sono!
Acordou por volta das 19:30h, mamou e "malemá" abriu os olhos. Tava numa leseira que só vendo. Dormiu, acordou e dormiu de novo mais umas duas vezes.

A consequência: às 03:45 da matina, ele pensou que já era dia e acordou para a aproveitá-lo! Aprontou um fusuê danado com seu falatório e seus gritinhos, que logo evoluiram para uma reclamação contínua e de uma nota só (Tom Jobim que se cuide), música esta que despertaria até a Bela Adormecida. Conclusão: papai acordou e foi ver o que estava acontecendo.

E como fazer um bebê de quatro meses entender que enquanto está escuro ainda é noite?
Related Posts with Thumbnails